#psicofobiaexiste

“É difícil viver com as suas mudanças de humor”, “pare de ser preguiçose”, “quem comete suicídio é fraco”, “quanto drama!”, “todo mundo tem ansiedade, você não é especial”, “fica olhando só para o seu próprio umbigo, assim enlouquece mesmo”, “eu gosto de você, mas tenho limites, não dá pra conviver”, “isso aí é falta de Deus”, “você não tomou seus remédios hoje, né?”…

O Preconceito

Você sabia que a psicofobia existe e milhares de pessoas enfrentam preconceito diariamente? O que gera esse preconceito é a falta de informação. Tudo o que não somos capazes de ouvir, silenciamos. Fechar os olhos para problemas que não conseguimos entender não vai fazê-los sumir, afinal contamos com 1 bilhão de pessoas que sofrem com transtornos mentais no mundo.

O silenciamento é histórico, há milhares de anos os tidos como loucos têm como “tratamento” o isolamento: aconteceu na Idade Média, quando eles eram destinados ao que era conhecido como a “nau dos loucos”, que era, na prática, deixá-los à sorte do mar; e acontece hoje, através da exclusão social que pode levar à institucionalização.

Ao silenciar, a mensagem que fica é: aqui não tem espaço para a sua loucura. E então o “vá se tratar” é uma forma de dizer “vai ser louco longe de mim”. A psicofobia agrava o sofrimento psíquico e impede que as pessoas portadoras de transtornos tenham acesso ao adequado tratamento.

Está em nosso cotidiano

Existe psicofobia dentro da família, entre os amigos mais próximos e nos ambientes de trabalho – ninguém está isento de cometer preconceito. Por ouvirmos essas falas de pessoas tão queridas, em quem confiamos, é possível acabar por acreditar no que eles dizem.

Atenção e Cuidado

Ser portador de transtornos mentais não te impede de realizar nada. O seu diagnóstico não te define. Mas o preconceito atrapalha, e muito, na sua saúde mental. Enfrentar a psicofobia é não ter vergonha de falar quando se sente ofendido, é afirmar sua condição, é recorrer às ajudas disponíveis – e é, principalmente, validar seus sentimentos.